InovaçãoAPI

Tecnologia para seguros: 4 práticas de integração de APIs

Na era da transformação digital, os investimentos canalizados para o desenvolvimento de aplicativos e sistemas têm sido cada vez mais expressivos. Isso porque as organizações já compreenderam a importância de manter um ambiente digital acessível, intuitivo e eficiente. Essa é uma das estratégias mais importantes para melhorar a experiência dos usuários. 

Contudo, o uso de uma tecnologia para seguros por si, na maioria das vezes, não é suficiente. Isso porque na prática o aplicativo da corretora precisa se comunicar com a base de dados do Google para facilitar o login do cliente, por exemplo. Para tanto, investir na integração de APIs é fundamental. São elas que irão orquestrar a comunicação entre os diferentes ambientes virtuais.

Mas, afinal, como explorar o potencial de uma excelente API e realizar a integração de maneira correta? De que maneira a agregação de dados dos diferentes aplicativos pode ser feitas? É isso que você confere neste post!

Avance na leitura e conheça as melhores práticas para realizar integrações.

Qual a importância das integrações?

São as integrações de API que otimizam os processos automatizando a transferência de dados de um aplicativo para outro ou para vários aplicativos. Dessa maneira, torna-se possível atender as demandas de profissionais e setores internos, clientes, prospects e parceiros.

Além de ter suas próprias APIs, cada aplicativo pode possuir diferentes estilos, como REST, SOAP, SDK. Neste caso, a questão é: como reunir e organizar todos os dados ocultos nesses aplicativos, facilitando a comunicação entre eles? 

Somente a partir de boas práticas de integração de APIs é possível superar esse desafio. Ao longo do artigo, você conhecerá algumas.

A importância da documentação

A documentação é indispensável para qualquer integração de API. Afinal, é a partir dela que essa comunicação se torna viável. 

Daí a importância de compreender os dados obtidos do provedor de terminal, bem como replicar as práticas recomendadas da documentação. Especialmente porque dessa forma a integração pode ser usada e compartilhada com outros desenvolvedores, inclusive em ecossistemas de APIs

A documentação completa facilita o uso da API e otimiza o trabalho dos profissionais, evitando o desperdício de tempo em tentativas, erros e refações. 

O que os códigos de erro podem indicar?

Para garantir integração de APIs, é importante conhecer quais códigos de erro

podem ser apresentados pelo provedor de aplicativos. 

Quando o desenvolvedor envia as solicitações de uso das APIs, ele precisa entender quando as coisas funcionam e também por que deixam de responder normalmente. 

Ao usar a tecnologia para seguros e as integrações de APIs, os códigos de erro

exibidos podem resultar da falta de limitações de tamanho, por exemplo.

Veja, a seguir, alguns dos códigos erros que podem ser exibidos ao trabalhar com APIs REST.

4 melhores práticas em integração de API

Com o uso da tecnologia para seguros, corretoras tradicionais e insurtechs vêm inovando e fazendo muito mais pelos segurados. O acesso a uma série de funcionalidades no aplicativo ou sistema, por exemplo, é possível graças à integração de APIs.

Veja, a seguir, quatro boas práticas que facilitam a comunicação entre diferentes ambientes virtuais.

#1- Autenticação correta

O acesso correto aos dados certos é um dos alicerces de qualquer projeto de integração. Para tanto, o processo de autenticação é um dos mais desafiadores.

Basicamente, a autenticação consiste em provar a identidade do seu aplicativo. Para a integração de APIs, existem várias maneiras diferentes pelas quais os aplicativos podem conceder acesso aos desenvolvedores.

1. Chaves de API 

Essa é uma maneira rápida e fácil de autenticar contas, sendo um processo pouco complexo para o provedor, já que ele pode facilmente criar e limpar chaves de API.

2. OAuth

Com estrutura diferente, o OAuth é baseado em token e tem três grandes

componentes: o usuário, consumidor ou aplicativo de integração,

e o provedor de serviços.

Essa é a abordagem preferida mais recomendada para autenticação. Isso

porque permite que os usuários indiquem o número de acesso que o aplicativo de integração pode ter, definindo limites com base no tempo.

#2- Consulta, classificação e exibição de dados

Durante a integração de APIs, a automação da movimentação de dados pode levar a transmissão de uma série de informações, que nem sempre são úteis para o funcionamento do aplicativo ou sistema.

Por isso, é importante garantir uma correta consulta, classificação e exibição de dados. Na maioria das vezes, apenas uma pequena parte dos dados é útil para uma boa execução do aplicativo. 

Neste aspecto, uma das melhores práticas em integração de APIs é definir parâmetros de consulta para filtrar todos os dados dispensáveis. A consulta é a última parte do ponto de extremidade da API, que solicita somente os dados que você deseja.

Além disso, a maneira como as informações necessárias serão apresentados à primeira vista se torna especialmente útil no teste e na apresentação de dados por meio de uma interface do usuário. 

Muitas APIs suportam classificar, classificar por ou ordenar parâmetros no URL para alterar a crescente ou natureza descendente dos dados.

#3- Paginação 

Depois de definir a consulta, o próximo passo é pensar em como as informações serão exibidas, tornando as páginas legíveis por humanos sem ocupar o seu computador, com alguma ordem implícita, como um ID exclusivo, Data de criação, Data

Modificado e assim por diante.

São alguns tipos diferentes de paginação:

  • Deslocamento
  • Conjunto de chaves
  • Páginas de dados fixas
  • Páginas de dados flexíveis

#4- Ações em massa para transferência de dados

E quando para a integração da API você precisa mover uma grande quantidade de dados de um sistema para o outro? É hora de usar aplicativos que expõem essa capacidade como o Bulk APIs. Ao mover APIs em massa é possível atualizar, inserir e excluir um número grande de registros de uma só vez. 

Esse tipo de ação facilita muito a transferência de grandes sistemas de registro de um

provedor para outro. Tal movimento impulsiona a parceria entre empresas e a transformação digital no mercado de seguros.

Deseja acessar outros conteúdos sobre ao uso de API e tecnologia para seguros? Continue acompanhando o blog!