Open InsuranceInovaçãoAPI

Integração de sistemas e uso de API: por onde começar?

Com o uso frequente de novas tecnologias e soluções, que na maioria das vezes não conversam entre si, todo departamento de tecnologia de qualquer empresa precisa fazer uso de APIs para ‘sobreviver’. São elas que garantem não apenas a integração de sistemas e interfaces. Mais do que isso, elas viabilizam a jornada de inovação e transformação digital das organizações

No mercado segurador, os diferentes tipos de API permitem a conexão das empresas e soluções do ecossistema de seguros. Na prática, uma API de integração pode, por exemplo, facilitar a monetização de dados, a construção de parcerias lucrativas e a implantação de novas ideias e projetos, que exigem interface. O uso de APIs já se tornou um facilitador essencial de transformação digital. 

Contudo, não basta apenas fazer o gerenciamento  e consumo das interfaces de aplicação, sem ter uma uma estratégia de APIs bem definida e consolidada. Esse é o primeiro passo para ter sucesso com o uso de API de integração.

Quer saber como definir essa estratégia? Continue lendo esse post!

O que é uma estratégia de APIs

Você pode não ter certeza sobre isso, mas é fato: as APIs têm muito potencial. Isso porque elas trazem uma série de novas possibilidades, que se confirmam a partir das conexões e integrações entre diferentes sistemas.

Em abril de 2017, uma pesquisa da Forrester apontou que 55% das empresas planejavam investir em API nos doze meses seguintes. Os números revelam que as organizações estão atentas para a importância de usar APIs de integração, contudo não sabem como montar um roteiro ou estratégia de APIs para implantação. 

Por isso, muitas vezes, o uso de API acaba gerando frustração. Sem obter clareza sobre a importância de construir uma estratégia de APIs, muitas empresas elaboram e executam planos sem uma reflexão cuidadosa. Acontece que, para ser bem sucedida, essa implantação requer investimento de tempo e recursos, para atender à complexidade da sua estrutura.  

Esses criadores abordaram a implementação da API com a mentalidade de que a tarefa seria semelhante em complexidade e escopo à implicada na construção de um site. Essa linha de pensamento é uma receita para o desastre. APIs devem ser encaradas como produtos. 

Uma estratégia de APIs bem sucedida requer um investimento expressivo de tempo e recursos, sendo que pode ser dividida em quatro etapas. Cada uma delas apresenta uma série de conceitos e fundamentos empresariais e tecnológicos que podem servir de apoio para que as organizações consigam superar os desafios da jornada de integração de sistemas. Essas etapas são:

  • Estabelecer uma estratégia digital
  • Alinhar organização e cultura
  • Avaliar, construir e implantar tecnologia de suporte
  • Envolver seu ecossistema.

Os componentes de uma estratégia de APIs

Para avançar na construção da estratégia de APIs é fundamental conhecer os principais componentes que devem ser considerados para garantir o gerenciamento de API a conectividade. Confira, a seguir, quais são esses componentes.

Comece a definir, criar e manter a estratégia de APIs da sua organização:

1. Projetar e criar APIs modernas

Uma API moderna e bem projetada é um dos componentes básicos da API. Um dos primeiros componentes, portanto, é definir a funcionalidade e a simplicidade necessárias para o ciclo de vida completo das APIs. É preciso pensar em aspectos relevantes como conectividade com qualquer fonte de dados, capacidade de compor os dados, segurança e governança. Somente assim será possível ter APIs bem projetadas e uma estratégia de APIs eficaz.

2. Gerenciar APIs durante todo o ciclo de vida

Outro componente indispensável da estratégia de APIs é pensar no  ciclo de vida de desenvolvimento de software (SDLC) de cada uma das APIs modernas. É preciso observar o desenho deste ciclo em relação a várias características da API como design, teste, construção, gerenciamento e controle de versão. 

A documentação completa, que permite seu consumo, é outro ponto que requer atenção constante. 

A partir do gerenciamento de APIs durante todo o ciclo de vida é possível potencializar a estratégia de APIs, impulsionando a transformação digital.

3. Desenvolvendo a estratégia de APIs da sua organização

Depois criar e gerenciar as APIs é preciso acompanhar o seu uso, para ter condições de desenvolver a melhor estratégia, explorando a conectividade proporcionada pelas APIs de integração.

A construção deste tipo de estratégia pode levar a vários caminhos possíveis. Veja alguns deles:

Criar canais para integrações com parceiros: essa estratégia permite que outras aplicações consumam seus dados, levando à criação de um ecossistema de aplicações por meio do uso das APIs da plataforma. Assim, é possível aumentar a capilaridade dos negócios.

Microsserviços: empresas que já possuem APIs internas vêm apostando em uma nova arquitetura, baseada na Estratégia de Microserviços. Na prática, as organizações escalam os principais recursos de aplicação, visando atender à demanda e agilizar o consumo. Ou seja, cada microsserviço possui um conjunto de APIs e uma maneira de escalar. De tal modo, se torna mais fácil gerenciar as demandas internas e até facilitar a exposição desses serviços.

Como desenvolver, de fato, uma estratégia de APIs

Quando as empresas adotam uma estratégia de APIs, elas obtêm resultados expressivos e, acima de tudo, estabelecem uma dinâmica colaborativa importante para se destacar no mercado. 

Mas, afinal, como desenvolver uma estratégia de APIs? Confira três passos essenciais: 

1. Divulgar documentação atualizada, precisa e fácil de entender

Esse é um pré-requisito para o sucesso de cada API e da sua estratégia. A documentação precisa ter um alto nível, sendo atualizada sempre. Quando os usuários se deparam com documentação obsoleta, eles deixam de ver valor no ecossistema de seguros e perdem a confiança na plataforma. Portanto, garanta que ela seja precisa, atualizada e fácil de compreender. Essa é uma parte da experiência do usuário.

2. Acompanhar o sucesso da estratégia

Muitas empresas buscam métricas, como número de desenvolvedores ou número de chamadas de API, para medir o sucesso de sua estratégia de API. Contudo, o ideal é ir além: é preciso usar esses indicadores para fazer uma combinação de métricas de sucesso nos negócios. Existem três indicadores importantes:

  1. Métricas de receita, como receita direta e indireta, ROI e CLTV por desenvolvedor. 
  2. Métricas operacionais, como tempo de atividade e erro. 
  3. Métricas do desenvolvedor, como NPS, envolvimento da comunidade, envolvimento da documentação e rotatividade.

Somente com uma avaliação holística do sucesso da estratégia de APIs você terá condições de otimizá-lo.

3. Construir uma comunidade de desenvolvedores forte e envolvente

Em uma estratégia de API, o cliente é o desenvolvedor. Por isso, as empresas que mantém plataformas precisam capacitar os desenvolvedores para que eles continuem usando suas APIs.

Neste sentido, é fundamental promover a criação de uma comunidade de desenvolvedores engajada. É possível usar uma série de canais diferentes, como:

  • Boletim mensal de notícias;
  • Portal de bate-papo como um hub de interação para os desenvolvedores;
  • Blog de desenvolvedor para disseminar conteúdo educacional, como estudos de caso e sugestões de codificação;
  • Presença em redes sociais;
  • Realização de Hackatons

Na construção de uma estratégia de APIs, você pode contar com o marketplace da GR1D. As melhores APIs de integração do ecossistema de seguros estão ao seu alcance em uma única plataforma, com documentação completa e acessível.  

Quer saber mais sobre a gestão de APIs para o sucesso do seu negócio? Confira o artigo que apresenta as melhores práticas em APIs.