FinanceFintechs

Fintechs: 6 tendências quentes para 2021

As fintechs vêm ganhando cada vez mais espaço no mercado. De acordo com dados da Fintechs Online,  88% das instituições financeiras tradicionais temem as fintechs por uma boa razão: as pessoas estão se apaixonando por elas. As carteiras digitais estão crescendo em toda parte, com os países em uma corrida para definir os padrões nacionais.

Os números apontam ainda que as fintechs devem interromper um fluxo de receita estimado em US$ 4,7 trilhões em serviços financeiros globais a qualquer momento. Até mesmo porque a transformação digital ainda tem muito para avançar. 

2020 já foi um ano de mudança total de paradigma para o mundo fintech. Com o setor financeiro mundial levado ao seu limite, as fintechs tiveram duas opções: assumir o seu papel ou sucumbir à pressão. 

A boa notícia é que elas têm se saído muito bem mesmo em um cenário complexo. Agora, à medida que o fim do ano aparece no horizonte é hora de se perguntar: o que vem por aí, no mercado de fintechs, em 2021?

Neste artigo, apresentamos as 6 principais tendências para o próximo ano. Confira!

1- Uma mudança na percepção

Uma das tendências mais importantes para as fintechs é a consciência de que a maneira como as pessoas veem suas próprias vidas financeiras mudou.

Com as paralisações e mudanças provocadas pela pandemia, muitos clientes se perguntaram: 'qual será a minha alternativa financeira'? ou ‘Como vou conduzir minhas finanças a partir de agora?’ 

O fato é que quanto mais tempo essa pandemia continuar, mais confortáveis ​​as pessoas ficarão com ela e mais ajustadas elas estarão em relação a formas novas ou alternativas de financiamento, como empréstimos, pagamentos, gestão de patrimônio e ativos digitais. Basta ver, por exemplo, que o uso de pagamentos digitais em tempo real, não baseados em dinheiro, é crescente

Além disso, as grandes flutuações que abalaram a economia global ao longo do ano causaram uma mudança massiva na percepção da estabilidade do sistema financeiro global que, na verdade, não é capaz de enfrentar e responder a choques econômicos abruptos com rapidez.

Na prática, a partir da experiência com a pandemia, tanto governo quanto instituições do setor financeiro têm o dever de considerar como os avanços tecnológicos e as plataformas inovadoras podem desempenhar um papel relevante na resposta global ao próximo choque econômico.

2- O aumento da popularidade das criptomoedas é a tendência Fintech 'mais importante' de 2021?

A projeção é que essa mudança de percepção do ecossistema financeiro tradicional seja capaz de abrir espaço para a adoção e o reconhecimento  das criptomoedas pelas fintechs

A Token Metrics, empresa de pesquisa de criptomoedas com inteligência artificial que usa inteligência artificial para criar índices de criptografia, classificações e previsões de preços, prevê que o bitcoin ultrapassará seu recorde histórico chegando à marca de US$ 20 mil por Bitcoin.

Isso deve acontecer também porque o cenário da criptografia está muito mais maduro, com forte endosso de empresas de prestígio como PayPal, Square, Facebook, JP Morgan e Samsung

É possível, inclusive, que depois do fim da pandemia, os ativos digitais serão muito mais integrados nos sistemas monetários, talvez até formando a base para a economia global com a adoção de moedas digitais do banco central (CBDCs) e o uso crescente de moedas estáveis ​​como USDC nas finanças descentralizadas (DeFi).

3- Os serviços financeiros baseados em P2P desempenharão um papel mais importante do que nunca

Tanto dentro quanto fora da criptomoeda, vários analistas identificaram a crescente popularidade e importância dos serviços financeiros ponto a ponto (P2P).

O crescimento das tecnologias ponto a ponto está gerando oportunidades e capacitação para clientes em todo o mundo.

Especialmente nos países em desenvolvimento, as plataformas de serviços financeiros P2P apontam um caminho viável para participar nos mercados de capitais e mobilidade social ascendente.

De plataformas de empréstimos P2P a troca automatizada de ativos, a tecnologia de contabilidade distribuída permitiu que uma série de novos aplicativos e modelos de negócios florescessem.

Dentro do ecossistema de criptomoedas, a ascensão dos sistemas P2P se destaca diante da crescente proeminência dos sistemas financeiros descentralizados (DeFi) para entrega de serviços como negociação de ativos, empréstimos e remuneração.

4- Os aplicativos de investimento continuam a atrair mais e mais novos usuários

Os ativos de criptomoeda baseados em DeFi também ganharam grande popularidade durante a pandemia como parte de outra tendência importante: “os investimentos online dispararam à medida que mais pessoas procuram fontes adicionais de renda passiva e geração de riqueza”. 

Foi registrado um influxo de novos investidores e comerciantes de varejo que caiu no mercado de fintechs por causa da pandemia. Os novos investidores de varejo estão procurando outras maneiras de gerar renda, buscando pela primeira vez plataformas de investimento.

Por exemplo, alguns estão negociando Dogecoin, uma criptomoeda meme, com base no conteúdo criado no TikTok. A tendência, após a pandemia, é que os investimentos por meio de plataformas de mídia social se tornem mais populares.

5- A institucionalização do Bitcoin como uma 'ferramenta de tesouraria corporativa'

Outra tendência para 2021 no mundo das fintechs é que o papel do Bitcoin no investimento institucional seja ainda mais relevante. Além disso, a expectativa também é ver seu aprofundamento na integração com o sistema financeiro convencional .

A ampliação da adoção do Bitcoin como ferramenta de tesouraria corporativa, bem como uma aceleração no interesse do investidor institucional e de varejo e moedas estáveis surge como uma força disruptiva no espaço de pagamento.

Desse modo, o Bitcoin e, de forma mais ampla, a criptografia devem se consolidar como uma classe de ativos para o mainstream em 2021.

Na verdade, a integração de criptomoedas como o Bitcoin em sistemas bancários tradicionais já é um tema quente nos Estados Unidos. No início de 2020, o Escritório de Controladoria da Moeda dos Estados Unidos (OCC) deixou claro que os bancos nacionais e as associações de poupança federais têm permissão legal para a custódia de ativos em criptomoedas.

6- A contínua 'fintecização' de tudo

Por fim, a "fintecização" de tudo e todos - entregas, serviços de armazenamento em nuvem e assim por diante deve ser ainda mais intensa em 2021.

Como observamos, ‘fintecização’ está em andamento há vários anos. Os serviços financeiros estão em toda parte. São aplicativos de transporte, de pedidos de comida, contas de membros corporativos, contas digitais: a lista é infinita.

E essa tendência não deve parar tão cedo. Como a busca por dados tem sido acelerada, uma linha direta de acesso às finanças pessoais dos usuários fornece novos fluxos de receita massivos, incluindo dados pessoais altamente confidenciais e valiosos.

No entanto, é importante que as instituições financeiras sejam extremamente cuidadosas antes de dar o salto para o mundo das fintech.

Com o avanço da tecnologia, os gestores querem agir rápido e fazer a disrupção acontecer, mas essa mentalidade não se traduz bem em finanças.

Gostou do artigo e quer saber mais sobre os impactos da pandemia para o setor financeiro? Confira nossos artigos especiais sobre o tema!