FinanceDevOps

Conheça as tendências em métricas de qualidade em DevOps

Fornecer software de alta qualidade com rapidez se tornou um pré-requisito para o sucesso das empresas de soluções digitais. As empresas rumo à transformação digital buscam fornecedores que possam proporcionar boas experiências com os serviços, sendo essa característica obrigatória para a lealdade e aquisição de clientes.

Mas como oferecer qualidade e velocidade? O primeiro passo é implementar as melhores práticas de Agile e DevOps. A automação facilita o trabalho dos times de desenvolvimento, mas precisa ser realizada com cuidado para evitar falhas e riscos. Nesse sentido, mensurar indicadores traz forte impacto para os processos.

Existem diversas métricas de DevOps, das quais 75 foram avaliadas em uma pesquisa da Forrester e da Tricents. Mais de 600 empresas participaram, entre companhias dos Estados Unidos, Europa e Ásia. Neste artigo, vamos fazer uma abordagem sobre os resultados do estudo e identificar as principais tendências internacionais de métricas para a entrega de soluções digitais. Confira a seguir!

Os 3 pontos-chave para o DevOps

Para identificar as tendências de DevOps, a pesquisa ranqueou as métricas de acordo com a relevância para os especialistas. Elas foram separadas por categorias: construção, validação funcional, testes de integração e testes de ponta a ponta.

Três pontos-chave ressaltam as prioridades do especialista DevOps segundo o estudo:

  • Compreender o risco comercial é essencial para o sucesso desse profissional. Isso porque as empresas reformulam as métricas para lançar uma solução tão logo entendem melhor como lidar com os riscos.
  • As métricas contextuais, como cobertura de requisitos e de riscos, são mais importantes para os especialistas em DevOps, enquanto outros focam em métricas de contagem, como número de testes.
  • A avaliação da experiência do usuário ganha mais atenção entre especialistas em DevOps em uma transação de ponta a ponta, enquanto outros profissionais preferem métricas específicas de aplicativos ou de equipes.

Confira a seguir as métricas de qualidade em DevOps mais relevantes em cada categoria.

Construção

Na categoria de construção, 63% das empresas de DevOps consideram os testes de unidade baseados em risco a métrica mais relevante. Eles ajudam a entender os impactos das mudanças, gerando feedback em relação à evolução dos códigos.

No entanto, o número das empresas de DevOps que utilizam essa métrica é muito mais baixo. Apenas 34% das avançadas rastreiam o número de testes das soluções digitais, caindo para 27% quando os riscos são priorizados. Nas companhias menos avançadas, somente 15% conseguem acompanhar a métrica.

Outras métricas que se destacam na categoria de construção são:

  • Construções bem-sucedidas de código (61% dos entrevistados);
  • Taxa de aprovação e reprovação do teste de unidade (60% dos entrevistados);
  • Número total de defeitos (59% dos entrevistados).

Validação funcional

Na validação funcional, o foco se torna as coberturas de requisitos e história do usuário. O objetivo é minimizar riscos e garantir que as funcionalidades funcionem conforme esperado. Estendê-las para cobertura de riscos de negócio é uma forma de avançar na automação de lançamentos.

Entre as principais métricas de validação funcional para gerenciar riscos e rastrear a qualidade, destacaram-se:

  • Execução de testes funcionais e verificação de requisitos cobertos (69%);
  • Densidade de bugs (62%) ou número de defeitos funcionais críticos (66%);
  • Proporção entre testes aprovados e reprovados (64%).

Testes de integração

Os testes de integração têm grande relevância para lidar com arquiteturas modernas, porque auxiliam na incorporação de APIs a plataformas de serviços e microsserviços. Essas camadas precisam ser abordadas com alta qualidade para diminuir os riscos na interface do usuário.

Nas empresas de DevOps, a prioridade das métricas de testes de integração se assemelham àquelas listadas no teste funcional, mudando o foco para as APIs. Os destaques nessa categoria são:

  • Testes executados com relação a requisitos funcionais (75%);
  • Número total de novos defeitos encontrados na API (64%);
  • Densidade de erros da API (63%);
  • Taxa de aprovação e reprovação de teste da API (62%);
  • Cobertura do código da API (62%);
  • Monitoramento da cobertura de riscos da API (62%).

Testes de ponta a ponta

Nos testes de ponta a ponta, os especialistas de DevOps valorizam métricas como:

  • Porcentual de testes de automação (70%);
  • Requisitos cobertos pelos testes (70%);
  • Total de novos defeitos encontrados nos testes de ponta a ponta (66%).

Os requisitos cobertos dependem de granulações diferentes, de acordo com as prioridades da empresa. Em relação ao número de defeitos, é possível verificar tanto as falhas nos testes de automação como em outros testes aplicados no processo para liberar o lançamento.

Conclusões da análise apresentada

Logo de início, pontuamos os três destaques para o DevOps na pesquisa da Forrester e da Tricents: riscos de negócios, métricas contextuais e avaliação da experiência.

Enquanto o Agile exige testes de software acelerados, o DevOps foca na qualidade, exigindo mudanças mais profundas. Para conduzir um pipeline de lançamento totalmente automatizado, as empresas participantes revelaram essencialmente a importância de analisar os riscos de negócios na busca pela transformação digital.

Porém, o estudo apontou que poucos times de DevOps de fato usam métricas com base nesse ponto. Com a consciência de que é um fator relevante para os testes, essa deve ser uma tendência que passará a ser adotada nas empresas.

Outra questão é que, antigamente, focava-se em métricas de contagem para responder se os testes estavam finalizados. Elas indicavam quais eram os números de testes executados, incompletos, aprovados, reprovados, entre outros. São pontos ineficazes para entender a qualidade de uma versão.

Com as métricas contextuais, busca-se determinar se o nível de risco é aceitável. Isso significa verificar se os requisitos para uma boa experiência do usuário foram alcançados com sucesso. Ou seja, se o produto está apto para ser lançado.

Assim, a tendência de métricas recai sobre os testes contínuos, que se baseiam na automatização para obter feedbacks rápidos sobre os riscos comerciais do lançamento. Há um contraste forte no momento em que os testes são aplicados: antes, eles eram adiados para o final do ciclo de desenvolvimento; agora, são executados no momento certo para realizar os ajustes.

Uma solução pronta para fazer parte da transformação digital das empresas precisa das métricas mais adequadas para um lançamento rápido e de qualidade. Por isso, as métricas contextuais são o destaque para os times de DevOps. Continue acompanhando as tendências e novidades do setor de tecnologia aqui no blog!